MILAGRE URGENTE Jan 12, 2011
Seção: Milagre Urgente

APÓSTOLO VALDEMIRO SANTIAGO

No interior do Amazonas, um cidadão sem as duas pernas – eu disse, ele não tem as duas pernas – realizou o impossível, o inacreditável para ressuscitar sua mulher, a coisa mais importante que lhe restava na vida.

Se a Bíblia fosse escrita nos dias de hoje, certamente esse relato seria registrado em Suas páginas sagradas.

 

Em primeiro lugar eu quero destacar um grande milagre ocorrido na Amazônia brasileira; e eu até já havia falado para minha esposa – a bispa Franciléia – que essa história faria parte do meu próximo livro.


Como todos sabem, a Igreja Mundial do Poder de Deus está presente em praticamente todos os cantos do país.


Em certa ocasião, durante minha ida ao Amazonas, mais precisamente a Manaus, algumas pessoas me levaram para pescar a cerca de uns trezentos e cinquenta quilômetros da capital. E elas me fizeram chorar demais ao me contarem a história de um casal que, há um tempo, havia procurado o pastor local para relatar um milagre – atualmente esse casal frequenta uma de nossas igrejas no interior amazonense.


Se a Bíblia fosse escrita nos dias de hoje, certamente esse relato seria registrado em Suas páginas sagradas.


Por não dispor de nenhuma das pernas – ele tinha só o toco dos membros inferiores -, o cidadão vivia constantemente preso a uma cadeira de rodas, totalmente dependente da esposa, que o pegava nos braços para lhe dar banho, para levá-lo ao banheiro, enfim, ela fazia absolutamente tudo para ajudá-lo e tornar sua vida um pouco mais suportável. Além disso, ela ainda cuidava do sítio e do gado enquanto que ele ficava em casa assistindo ao meu programa pela TV. Costumeiramente ela saía bem cedo de casa, até que um dia não voltou mais.


Sem telefone, vizinho nas imediações ou qualquer outra maneira de chamar a polícia ou o corpo de bombeiros – na roça, a única coisa que eles tinham era uma antena parabólica para acompanhar o programa -, ele ficou desesperado, apavorado mesmo. Então, por impulso, o homem saltou da cadeira e foi se arrastando pelo pasto sobre os espinhos que faziam sua pele verter sangue; com muito esforço, embrenhou-se mato adentro gritando incessantemente pela mulher. Rodou a roça inteira por horas a fio até encontrá-la morta. Atônito, pegou seu pulso e nada.


Seu coração já não batia mais, e o corpo frio denunciava que ela jazia morta há bastante tempo. Como poderia carregar o corpo da esposa, se mal conseguia arrastar a si próprio? Foi na Bíblia que encontrou a resposta, a única solução, depois de suplicar a Deus que fizesse com ele o que havia feito com Sansão. Fortificado como o “herói israelita”, o homem conseguiu pegar a mulher e se arrastar até a casa somente com aqueles pedacinhos de perna em carne viva. Deitou-a no chão da sala e ligou a TV, justamente num momento em que eu estava pregando .


Apanhou, então, uma colher – talvez não alcançasse um copo ou uma xícara -, encheu-a de água e clamou em alta voz:


- Deus do apóstolo Valdemiro! Por favor, devolva-me a única coisa que eu tenho na minha vida! Senhor, minha esposa é quem cuida de mim, quem me carrega... É ela quem enche meu coração de alegria.


Em seguida, despejou cuidadosamente a água da colher na boca dela. Meu irmão, o inacreditável aconteceu!


Para a glória do Senhor, ela se levantou e até hoje continua cuidando do marido. Eu testemunhei muitos milagres durante a minha vida ministerial, mas como relatado pelos amazonenses confesso que foi a primeira vez.


- Apóstolo, mas o senhor nunca viu uma ressurreição? – pergunta alguém.


Ressurreição eu já vi, mas não dessa maneira. Imagine só, um homem cotoco das duas pernas, arrastando-se sobre os espinhos do pasto à procura da mulher, enquanto que há pessoas fisicamente perfeitas – com duas pernas, dois braços, visão impecável – que desistem diante de qualquer adversidade, que se entregam e que se matam por esse mundo afora.


Ele desceu da cadeira de rodas e, numa reciprocidade comovente, carregou nos braços aquela que sempre o carregava; arrastou-a pelo meio do mato até a casa, ligou a TV, sintonizou o meu programa e até fez um desafio:


- Se há um deus na vida desse apóstolo, que devolva a única coisa que eu tenho nessa vida: minha esposa!


E o Senhor a devolveu.


Eu fiquei muito chocado quando me contaram essa história, nunca havia sentido tamanha emoção.


Subitamente comecei a chorar; um choro de alegria, de satisfação; e isso fortalece ainda mais a minha fé, a minha vida, Brasil! Aquele homem, cuja família frequentava outra igreja, não citou o nome do pastor ou do bispo deles, não! Ele pronunciou o meu nome, logo eu que sempre fui um desvalido. Você sabia que há membros de outras igrejas que quando invocam o Senhor, mencionam o meu Deus e não o do líder deles? E eu, sabendo da minha insignificância, da minha miserabilidade, sinto-me cada vez mais forte para continuar lutando, para continuar mantendo meu ministério para a honra e glória do Pai.


Dá para imaginar a situação daquele homem, no meio do mato, arrastando a amada esposa em meio aos espinhos que arrancavam sangue de seu corpo. Só mesmo pela fé em Deus que ele encontrou forças para conseguir chegar a casa e ligar a TV.


Fiquei sabendo sobre rumores de um movimento no país promovido pelas autoridades políticas que, sei lá como, pretende criar decretos e fazer valer leis para limitar o meu trabalho na televisão. Querem até reduzir meu tempo de pregação para quinze minutos por hora. Diante disso, eu me peguei pensando:


- O que aquele cidadão, na situação em que se encontrava, poderia fazer se não tivesse sintonizado no meu programa?


Graças a Deus que ele me viu, orou e pegou a colher com água para enfiar goela abaixo da esposa. Por mais que a gente tente, é praticamente impossível imaginar tudo o que ele passou para procurar a mulher no meio do mato, a dificuldade para localizar o corpo; afinal, uma pessoa em pé consegue ver ao longe, mas e quando precisa se arrastar? Deve ter tido uma dificuldade tremenda para encher e equilibrar a colher com água e até mesmo para ligar a TV – além de todo ensanguentado, ele deveria estar absolutamente exausto.


Sua força, determinação e fé são muito mais do que uma lição de vida para cada um de nós, pois acredito que ninguém aqui tenha passado por uma situação semelhante; ninguém esteve diante de tamanha provação de resistência e fé.


Senti-me imóvel, completamente anestesiado quando ouvi esse relato tão comovente. Fiquei parado, perplexo.


- Puxa, o verdadeiro Evangelho de Jesus está mesmo aqui! – falei comigo mesmo.


Quem quiser ficar magoado comigo, que fique! Eu não posso fazer nada, mas esse é o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo e pronto! Que seja repetido quantas vezes forem necessárias nesse país – no meu programa, e que, também, seja escrito para que as pessoas aprendam a lutar. Isso não é uma parábola, é realidade. Um dia eu ainda terei o privilégio de trazer esse casal aqui no altar da Igreja Mundial do Poder de Deus, em nome de Jesus. É o milagre urgente!

 

IMPRIMIR ESTA PÁGINA

 
Ronaldo Didini

Fundador do Ministério Caminhar

E-mail: ronaldodidini@ministeriocaminhar.com.br